July 12, 2021

Facebook
Twitter
INSTAGRAM
RSS

AZORES, PORTUGAL (July 8th, 2021) –

Rising from the deep seafloor where three continental plates meet, the Azores Archipelago stands as a grand oasis in the middle of the Atlantic Ocean. Here, underwater volcanoes host highly specialized fauna and rugged seamounts hold vibrant, thriving sponges and coral gardens. Forever loved by the whales, adventurous sailors, and its people, the rich heritage of the Azores Archipelago has become globally renowned and cherished. To flourish into future generations, stakeholders believe that these marine ecosystems need to be preserved by a comprehensive network of marine protected areas (MPAs).

 

 

 

Mission Blue, international ocean conservation nonprofit, recognizes the Azores Archipelago as a Hope Spot in support of a coherent network of MPAs that extend from the surface of the sea all the way down to the deep seafloor.

Dr. Sylvia Earle, Founder of Mission Blue, says, “The Azores Archipelago is a magnet for life. It really is a magical place.” She continues, “Launching the Azores as Hope Spot is so logical – just ask the whales. They know how special this place is. This used to be a place where whales were killed and now people are making a living by respecting the whales and having people come out and visit them as fellow citizens of the planet.”

 

(c) Nuno Sá

 

Christopher Pham, Azores Hope Spot Champion, adds, “The inclusion of the Azores as a Hope Spot is a significant step in our mission to promote the protection of this unique place.” Pham works as a research associate at the Okeanos research center of the University of the Azores specializing in deep-sea ecosystems and plastic pollution.

In 2019, the Regional Government of the Azores announced the Blue Azores program, in partnership with the Oceano Azul Foundation and the Waitt Institute that will lead to the declaration of 15% of the Azorean Economic Exclusive Zone (EEZ) as new no-take marine reserves. However, more work is needed in the conservation of the Azores marine territory, namely the implementation of MPA management plans and a strong Marine Spatial Planning policy, both in progress.

 

(c) Nuno Sá

 

Ricardo Serrão Santos, Minister of the Sea of Portugal says, “I am very proud of the recognition of the Azores as a Hope Spot by Mission Blue. A Hope Spot means a commitment to go further on marine conservation policy to ensure a sustainable future.” Santos has dedicated more than 30 years of his career to the research and conservation of oceanic ecosystems. 

Dan Laffoley, Principal Advisor on Marine Science and Conservation for IUCN’s Global Marine and Polar Programme says, “When we think of Hope Spots and the Azores, we think of it as a twin-track approach here. The first is using the Hope Spot to bring global awareness and the second track is establishing a network of MPAs. The combination of both is what Hope Spots are about.”

Like many marine ecosystems on Earth, the Azores Archipelago is under pressure from human activities like fishing, coastal construction and maritime transport. Other pressures include the introduction of contaminating compounds, the introduction of non-indigenous species, underwater noise and marine litter.

 

Devil rays (mobula tarapacana) (c) Nuno Sá

 

The Azores’ first experiences with marine protected areas date back to the 1980s when a few dispersed, small and inadequately resourced MPAs were established in the archipelago with the broad objective to manage marine resources and conserve biodiversity. However, through joint collaboration between the government, the university and people and the major growth of ecotourism, more and more areas in the Azores have come under careful protection.

 

(c) Nuno Sá

 

Perhaps what makes the Azores Archipelago such a precious gem of the sea is its rare and richly valuable ecological and biological qualities. Found at the edge of the oligotrophic North Atlantic Subtropical Gyre, these islands are an area of enhanced productivity. The Azores contains a key portion of the Mid-Atlantic Ridge – the most prominent ocean floor feature in the Atlantic Ocean. Here, the ocean is divided into eastern and western deep basins and hosts hydrothermal vent ecosystems. Seamounts in the Azores may act as essential “stepping stones” allowing the faunas from Madeira and Canaries, Africa and the Mediterranean Sea to reach the center of the North Atlantic.

 

 
Female and calf sperm whale (physeter macrocephalus) in the waters of São Miguel Island, Azores (c) Nuno Sá

 

Due to its remote nature, marine biodiversity in the Azores has not yet been fully inventoried, but scientists do know that the region is home to several species of cetaceans, nesting seabirds, sea turtles, hundreds of species of fish and algae and a few thousand invertebrates. Many endemic species call the archipelago home, with the most notable being the Monteiro’s storm petrel (Oceanodroma monteiro), cold-water coral (Errina dabneyi) and the blue wrasse (Symphodus caeruleus).

 

Blue shark (c) Nuno Sá

 

The Azorean people are highly dependent upon a healthy marine environment and value the need for preserving it – many people here make a living on ecotourism practices, like whale watching and SCUBA diving. The Azores has always been at the forefront of the conservation of its marine resources. Apart from fish quotas, to regulate the fisheries, the Regional Government of the Azores has implemented technical measures over the years including fishing gear and license regulations. Perhaps the most impactful example of their dedication to conservation is the closure of a traditional fishing ground, the Condor Seamount. The decision to close Condor seamount to fisheries arose from a collaborative, bottom-up process involving scientists, local fishermen, tourist operators and the Regional Government of the Azores.

 

 

The ground-up approach to protecting the Azores has not only worked to preserve the archipelago’s fragile marine life, but has set an example on the global stage of the actions necessary to invest in the ocean, the life within and the sustainable future of those on land who depend on them.

José Manuel Bolieiro, President of the Regional Government of the Azores, says, “The Azores are, in the life of the Azoreans, more sea than land. To the size of each island, we add the greatness of our sea. For the world, the reconstruction of the human relationship with nature is now one of the main priorities of the international community and this is one of the great challenges facing the world in this century and a struggle that no one should be indifferent to.”

 

(c) Nuno Sá

 

Click here to explore the interactive Hope Spot StoryMap, hosted on ESRI.

 

About OMA – Observatório do Mar dos Açores

The Sea Observatory of the Azores (OMA) is a technical, scientific and cultural non-profit association, established in 2002 by 23 marine biologists (www.oma.pt). Its objectives are the dissemination of scientific and technological culture and the promotion of activities of interpretation and environmental education, within the scope of Marine Sciences, contributing directly for the implementation of SDG 14. It is part of the Regional Networks of Science Centres of the Azores since 2012. Since this date, it has involved around 71.000 people in the awareness activities promoted, from all age groups, a number that has been growing every year, registering more than 17,000 participants in 2019 alone. The OMA works with the Azorean society, promoting the inclusion of information and knowledge in the global society, creating conditions for learning scientific and technological content in an interactive, playful and motivating way. It aims to observe the state of the Azores Sea and promote environmentally sustainable practices that safeguard resources, biodiversity and the natural functioning of marine ecosystems. The Oma has a young, motivated and dynamic team, made up of technicians specialized in the different areas of activity of the institution, and also welcomes, in a floating way, several interns and volunteer collaborators.

About Research Institute on Marine Sciences – Okeanos, University of the Azores

The Research Institute on Marine Sciences – Okeanos, was founded in 2015 as a research centre of the University of the Azores with the mission to “conduct leading deep-sea and open-ocean research and education to advance the understanding of marine systems in a changing planet and promote the sustainable blue economy and management of marine ecosystems, for the benefit of the society and the environment”. The centre develops both fundamental and applied research with several partnerships from around the world, and promotes strong links with governmental and private organizations, and the society as a whole. The goal of Okeanos is to seek excellence in the study of aquatic ecosystems and disseminate knowledge to support policies for sustainable development. This mission is achieved through scientific research, education, knowledge and technology transfer to industry, as well as through science communication, establishing collaborative networks at the regional, national and international levels.

 


Hope Spot do Arquipélago dos Açores: Um Modelo de Liderança em Ecoturismo e Conservação

Erguendo-se do fundo do mar, na encruzilhada de três placas continentais, o Arquipélago dos Açores assume-se como um grande oásis no meio do Oceano Atlântico. Aqui, os vulcões subaquáticos abrigam uma fauna altamente especializada e os montes submarinos acolhem vibrantes e prósperos jardins de corais de águas frias e agregações de esponjas. Para sempre amado pelas baleias, pelos marinheiros intrépidos e pelo seu povo, o rico património do Arquipélago dos Açores tornou-se mundialmente conhecido e apreciado. Para florescer nas gerações futuras, os utilizadores do mar dos Açores acreditam que esses ecossistemas marinhos precisam ser preservados por uma rede abrangente de áreas marinhas protegidas (AMPs).
A Mission Blue, organização internacional sem fins lucrativos para a conservação do oceano, reconhece o Arquipélago dos Açores como um Hope Spot, dando o seu apoio a uma rede coerente de AMPs que se estendem desde a superfície até ao fundo do mar.

A Dra. Sylvia Earle, Fundadora da Mission Blue, afirma, “O Arquipélago dos Açores é um íman para a vida. É realmente um lugar mágico”. E continua, “Lançar os Açores como Hope Spot é tão lógico – basta perguntar às baleias. Elas sabem como este lugar é especial. Este costumava ser um lugar onde as baleias eram mortas e agora as pessoas ganham a vida respeitando as baleias e recebendo pessoas para visitá-las como concidadãos do planet.”

Christopher Pham, campeão do Hope Spot dos Açores, acrescenta: “A inclusão dos Açores como Hope Spot é um passo significativo na nossa missão de promover a proteção deste lugar único.” Christopher Pham trabalha como investigador associado no centro de investigação Okeanos da Universidade dos Açores, especializado em ecossistemas do mar profundo e poluição por plásticos.

Em 2019, o Governo Regional dos Açores anunciou o programa Blue Azores, em parceria com a Fundação Oceano Azul e a Waitt Institute, que vai levar à declaração de 15% da Zona Económica Exclusiva dos Açores (ZEE) como novas áreas marinhas totalmente protegidas.

No entanto, é necessário mais trabalho na conservação do território marinho dos Açores, nomeadamente a implementação de planos de gestão de AMP e uma forte política de ordenamento do território marinho, ambos em progresso.

O Ministro do Mar de Portugal, Ricardo Serrão Santos, com mais de 30 anos dedicados à investigação e conservação dos ecossistemas oceânicos, afirma: “Estou muito orgulhosos pelo reconhecimento dos Açores como um Hope Spot pela Mission Blue. Um Hope Spot representa futuro e um compromisso para ir mais além nas políticas de conservação para assegurar um futuro sustentável.”

Dan Laffoley, Conselheiro Principal em Ciência Marinha e Conservação do Programa Marinho e Polar Global da IUCN diz: “Quando pensamos em Hope Spots e nos Açores, pensamos nisso como uma abordagem dupla aqui. O primeiro é usar o Hope Spot para trazer consciência global e o segundo caminho é estabelecer uma rede de AMPs. A combinação de ambos é o objetivo dos Hope Spots.”

Como muitos ecossistemas marinhos da Terra, o Arquipélago dos Açores está sob pressão de atividades humanas, como a pesca, construção costeira e transporte marítimo. Outras pressões incluem a introdução de compostos contaminantes, a introdução de espécies não indígenas, ruído subaquático e lixo marinho.

As primeiras experiências dos Açores com áreas marinhas protegidas datam da década de 1980, quando algumas AMPs dispersas, pequenas e com recursos insuficientes foram estabelecidas no arquipélago, com o objetivo geral de gerir os recursos marinhos e conservar a biodiversidade. No entanto, graças à colaboração conjunta entre o governo, a universidade e as pessoas e ao grande crescimento do ecoturismo, cada vez mais áreas nos Açores estão a ficar sob cuidadosa proteção.

Talvez o que torna o Arquipélago dos Açores uma joia tão preciosa do mar sejam as suas raras e ricas qualidades ecológicas e biológicas. Embora situadas na fronteira do esquivo e oligotrófico Giro Subtropical do Atlântico Norte, estas ilhas são uma área de grande produtividade. Os Açores contêm uma parte importante da Crista Médio-Atlântica – a formação geológica submarina mais importante no Oceano Atlântico. Aqui, o oceano é dividido em bacias profundas a oriente e ocidente e hospeda ecossistemas de fontes hidrotermais. Os montes submarinos dos Açores podem até funcionar como “stepping stones” essenciais para que as faunas da Madeira e das Canárias, de África e do Mar Mediterrâneo cheguem ao centro do Atlântico Norte.

Devido à sua natureza remota, a biodiversidade marinha dos Açores ainda não foi totalmente inventariada, mas os cientistas sabem que a região é o lar de cerca de 28 espécies de cetáceos, dez aves marinhas nidificantes, seis tartarugas marinhas, 560 espécies de peixes, mais de 400 espécies de algas e alguns milhares de invertebrados. Muitas espécies endémicas têm o seu lar no arquipélago, com destaque para o Paínho-de-Monteiro (Oceanodroma monteiro), corais de água fria (Errina dabneyi) e o Bodião-azul (Symphodus caeruleus).

Os açorianos são altamente dependentes de um ambiente marinho saudável e valorizam a necessidade de o preservar – muitos aqui vivem das práticas de ecoturismo, como a observação de baleias e o mergulho com escafandro autónomo. Os Açores sempre estiveram na vanguarda da conservação dos seus recursos marinhos. Para além das quotas de pescado, para regular a pesca, o Governo Regional dos Açores tem vindo a implementar medidas técnicas ao longo dos anos, incluindo artes de pesca e regulamentação de licenças. Talvez o exemplo mais impactante da sua dedicação à conservação seja o encerramento de uma área de pesca tradicional, o Monte Submarino Condor. A decisão de encerrar o monte submarino Condor à pesca surgiu de um processo colaborativo envolvendo cientistas, pescadores locais, operadores turísticos e o Governo Regional dos Açores.

A abordagem de base à proteção dos Açores não só tem funcionado para preservar a frágil vida marinha do arquipélago, mas tem dado um exemplo num cenário global das ações necessárias para investir no oceano, na vida e no futuro sustentável dos que aqui vivem e deles dependem.

José Manuel Bolieiro, Presidente do Governo Regional dos Açores afirma, “Os Açores são, na vida dos açorianos, mais mar do que terra. Ao tamanho de cada ilha, somamos a grandeza do nosso mar. Para o mundo, a reconstrução da relação humana com a natureza é hoje uma das principais prioridades da comunidade internacional e este é um dos grandes desafios que o mundo enfrenta neste século e uma luta à qual ninguém deve ficar indifferent.”

Sobre a Mission Blue

Liderada pela lendária oceanógrafa Dra. Sylvia Earle, a Mission Blue está a reunir uma coligação global que visa inspirar uma crescente consciencialização pública, acesso e suporte para uma rede mundial de áreas marinhas protegidas – os Hope Spots. Sob a liderança da Dra. Earle, a equipa da Mission Blue implementa campanhas de comunicação que elevam os Hope Spots ao cenário mundial por meio de documentários, redes sociais, imprensa tradicional e ferramentas inovadoras como o Google Earth. A Mission Blue realiza expedições oceânicas regulares que lançam luz sobre esses ecossistemas vitais e criam suporte para sua proteção. A Mission Blue também apoia o trabalho de ONGs de ambiente em todo o mundo que compartilham a missão de obter apoio público para a proteção do oceano. A aliança Mission Blue inclui mais de 200 grupos reconhecidos pela preservação do oceano e organizações com ideias semelhantes.

Sobre o OMA – Observatório do Mar dos Açores

O Observatório do Mar dos Açores (OMA) é uma associação técnica, científica e cultural sem fins lucrativos, constituída em 2002 por 23 biólogos marinhos (www.oma.pt). Tem como objetivos a divulgação da cultura científica e tecnológica e a promoção de atividades de interpretação e educação ambiental, no âmbito das Ciências do Mar, contribuindo diretamente para a implementação do ODS 14. Faz parte da Rede Regional de Centros de Ciência dos Açores desde 2012. Desde esta data, já envolveu cerca de 71.000 pessoas nas ações de sensibilização promovidas, de todas as idades, número que tem vindo a crescer a cada ano, registando mais de 17.000 participantes só em 2019. O OMA trabalha com a sociedade açoriana, promovendo a inclusão da informação e do conhecimento na sociedade global, criando condições para a aprendizagem de conteúdos científicos e tecnológicos de forma interativa, lúdica e motivadora. Tem como objetivo observar o estado do Mar dos Açores e promover práticas ambientalmente sustentáveis que salvaguardem os recursos, a biodiversidade e o funcionamento natural dos ecossistemas marinhos.O Oma conta com uma equipa jovem, motivada e dinâmica, composta por técnicos especializados nas diferentes áreas de atividade da associação, e acolhe também, de forma flutuante, vários estagiários e colaboradores voluntários.

Sobre Instituto de Investigação em Ciências do Mar Okeanos, Universidade dos Açores

O Okeanos foi fundado em 2015 como um centro de investigação da Universidade dos Açores, com a missão de “conduzir investigação e educação em alto mar e oceano aberto para avançar na compreensão dos sistemas marinhos num planeta em mudança e promover a economia azul sustentável e gestão dos ecossistemas marinhos, em benefício da sociedade e do meio ambiente”. O Centro desenvolve investigação fundamental e aplicada com várias parcerias de todo o mundo e promove fortes vínculos com organizações governamentais e privadas e com a sociedade como um todo. O objetivo do Okeanos é perseguir a excelência no estudo dos ecossistemas aquáticos e disseminar conhecimentos para subsidiar políticas de desenvolvimento sustentável. Esta missão é alcançada através da investigação científica, educação, conhecimento e transferência de tecnologia para a indústria, bem como através da comunicação científica, estabelecendo redes colaborativas a nível regional, nacional e internacional.

 
Facebook
Twitter
INSTAGRAM
RSS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

We've Updated Our Privacy Policy

Read our new privacy policy here.